A Padrão Assistência 24h atua em parceria com o Cemitério e Crematório Jardim do Éden e realiza todos os procedimentos necessários para o encaminhamento da cremação.

A cremação é uma forma atual de atendimento fúnebre que apesar de ser um costume antigo, atualizou suas tecnologias para hoje proporcionar uma alternativa econômica, higiênica, ecológica e prática que promove comodidade à família. Possuindo uma infraestrutura completa e moderna, o Cemitério e Cremátorio Jardim do Éden oferece serviços de qualidade e excelência, buscando eternizar os sentimentos e lembranças, de quem você ama.

A cremação é um processo individual e irreversível de incineração de restos mortais humanos, que através de um instrumento mecânico reduz os restos mortais humanos a cinzas por meio de inserção de calor. Para tanto submete os corpos a temperaturas altíssimas – até 1.250°C.A Padrão Assistência 24h coloca a sua disposição uma equipe especializada que cuida de todos os detalhes. A experiência no setor nos qualifica como uma das empresas mais competentes em trâmites burocráticos direcionados ao serviço de cremação, com alto padrão de qualidade, proporcionando à família a tranqüilidade necessária para enfrentar um momento tão difícil.A cremação de restos mortais humanos é regida pela Lei Federal Nº6. 015, de 31 de dezembro de 1973. Artigo 2º.
  1. A cremação de restos mortais humanos somente poderá ser efetuada no decurso de 24 horas, contadas a partir do falecimento, atendidos os seguintes requisitos:
    1. A autorização para a cremação deverá ser do parente de grau direto, na seqüencia: cônjuge, pais, filhos, irmãos ou representante legal; sempre na falta de um o outro,falta essa devidamente justificada com documentos comprobatórios(óbitos,certidões,atestados,etc.).No ato da assinatura da autorização para cremação,é necessário a presença do parente de grau direto,e também de testemunhas,ambos portando RG e CPF.
    2. No caso de morte natural:
      • prova de manifestação de vontade do falecido constante de declaração expressa assinada, por instrumento público ou particular neste caso, com a firma reconhecida e registrada no cartório de títulos e documentos.
      • na apresentação da declaração de óbito será indicado o crematório onde se dará a incineração e os nomes dos médicos ou legista serão acompanhados dos respectivos endereços e números dos registros no conselho Regional de Medicina (C.R.M) e assinatura dos mesmos.
    3. No caso de morte violenta ou indeterminada:
      • autorização de autoridade judiciária(alvará)e apresentação de declaração de óbito firmada por um médico legista.
  2. Se a pessoa não tiver parente de grau direto, e não deixou declaração específica para cremação, é necessário obter autorização judicial (alvará).Para obter autorização judicial a família deverá ir ao Poder Judiciário, estando de posse dos seguintes documentos:
    • Certidão de óbito, boletim de ocorrência, declaração do delegado (não se opondo a cremação) e a autorização judicial não supre a presença do parente e grau direto para a autorização de cremação.
  3. No caso de morte natural de cidadão estrangeiro, não residente no país, a cremação deverá ser devidamente autorizada por autoridade judicial competente, mediante solicitação formulada pelo consulado do país expedidor do passaporte do falecido da qual conste o nome de quem a formulou.
  4. Ultimadas as cerimônias fúnebres, a urna funerária será conduzida fechada para o forno crematório, onde será vedada a presença de pessoas estranhas ao serviço, mesmo que parentes do falecido.
  5. Os restos mortais humanos, após a regular exumação, poderão ser incinerados mediante solicitação expressa da família do falecido.
    • Parágrafo único – para os efeitos deste regulamento, considera-se família o cônjuge, os descendentes maiores de idade, os ascendentes e os irmãos maiores de idade, atuando sucessivamente um na falta do outro e na ordem e ora estabelecida.
  6. As cinzas resultantes da incineração serão recolhidas em urna apropriada.
  7. A urna terá obrigatoriamente um número de classificação e os dados relativos à identidade do falecido, inclusive as datas do falecimento e da cremação.
  8. A urna cinzaria será entregue a quem o falecido houver indicado em vida ou a família, observado o critério estabelecido no item 05 parágrafo único.
  9. E assim o deliberar a família, ou tiver sido manifestado em vida pelo morto, as cinzas poderão ser espargidas em áreas ajardinadas reservadas para esse fim em crematório ou em cemitério, em columbário ou ossário.
  10. Em se tratando de menor ou incapaz, é necessário a autorização dos pais ou responsáveis legais.
  11. Não haverá nenhum tipo de discriminação quanto ao ato de cerimônias religiosas na capela ecumênica do crematório.
  12. A contratação referente aos serviços de cremação deverá ser previamente marcada.